Erika Lima: Eu sou a gorda que não se enxerga. Convivam com isso! - Portal NEWS - Notícias em última hora

Erika Lima: Eu sou a gorda que não se enxerga. Convivam com isso!

Compartilhe

‘Quando coloco meu biquininho fio dental em meus quase 120 cm da mais pura fartura de quadril, percebo a surpresa, em um, ou outro olhar, como se perguntassem para si mesmos: “essa gorda não se enxerga?“. Pensam de verdade que eu não percebo que estou gorda. Nada disso. Sei exatamente como é o meu corpo, e uma vez colocado, entoxado, atarracado, o fio dental só sai de lá quando o sol resolve partir ou quando eu canso de torrar minha derrière. Se não me incomoda, porque incomoda os outros?

Quando dou um fora em um cara bonitão (por fora), percebo a indignação: “essa gorda não se enxerga?“. Como se pelo fato de ser gorda, eu não pudesse escolher, dizer não, e devesse aceitar qualquer babaca predisposto a se deliciar com meu formoso ‘corpitcho’, dando graças a Deus por isso. Não sou obrigada, meu bem.

Quando coloco o vídeo no grupo do whatsapp dançando na velocidade 5 do créu, sem medo de ser feliz, vejo um ou outro nariz torcido comentando: “mas essa gorda não se enxerga?“. Sim, porque muitos acreditam que nossos corpos foram abençoados com toda essa malemolência só para a colocarmos em prática escondido, dançando sofridamente em frente ao espelho, no quarto dos fundos de casa. Mas eu danço em público. Rebolo, pulo e sapateio na cara da sociedade gordofóbica. E se alguém não gostar, que não olhe.

Mas quer saber? Essa galera que nada tem a ver com minha vida e que nem paga as minhas contas, tem razão. Eu realmente não me enxergo. Não me enxergo como coitada, como alguém que precisa pedir permissão para ser feliz. Não me enxergo como derrotada, como feia, como inferior.

Não me enxergar com os olhares alheios cheios de inveja e maldade, mas com meus próprios olhos e com meu coração, me abriu as portas para a verdadeira felicidade. Eu sou gorda sim, eu me enxergo como sou e não como gostariam que eu fosse. Convivam com isso.

Acesse a coluna completa da Erika Lima

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *