Morreu, na manhã de ontem, o cabo José Antônio Pinheiro, de 64 anos. Ele era da reserva remunerada da Polícia Militar e que estava internado no Hospital Municipal de Marabá. Pinheiro foi esfaqueado no sábado (24), quando estava sentado em frente de casa, no Bairro Liberdade, Núcleo Cidade Nova. O acusado do crime foi identificado como Edir Nonato da Silva, que morava na casa da vítima. Ele teria deficiência intelectual.

Após praticar o crime, Edir Nonato fugiu para a Vila Carajás, cerca de 60 quilômetros do Centro de Marabá, onde foi preso. José foi o 15° policial militar assassinado no Pará esse ano.

Segundo o sargento PM Edson, que efetuou a prisão do acusado, quando os militares receberam a informação do esfaqueamento, começaram a monitorar o suspeito. Descobriram que Edir havia fugido para uma vicinal depois da Vila Sororó, uma área de difícil acesso.

Edir Nonato da Silva foi preso por esfaquear e matar o policial. (Foto: Divulgação)

Ao localizar o endereço onde o acusado se escondia, os militares fizeram um cerco. Ainda de acordo com o sargento Edson, Edir Nonato pegou um facão, atentou contra a própria vida e atacou os policiais. “Foi necessário atirar na perna dele para contê-lo e conduzi-lo até o Hospital Municipal, onde recebeu os primeiros socorros”, informou o sargento Edson.

Um irmão do acusado, Elson Jhon da Silva, esteve no hospital no momento em que o irmão estava sendo atendido. Ele contou que Edir era agressivo e por várias vezes ameaçou a família. Ele também disse que há muitos anos o policial militar era amigo da família e bastante querido. “Tenho o Pinheiro como parte da minha família. Queremos que ele (Edir) seja punido, que ele pague pelo que fez”, disse o irmão do acusado.

AUTUADO
Depois de receber atendimento médico, Edir Nonato foi encaminhado à 21ª Seccional de Polícia Civil, onde foi autuado em flagrante e colocado à disposição da Justiça.

(Alessandra Gonçalves/Diário do Pará)